???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://bdtd.ucb.br:8443/jspui/handle/tede/2443
???metadata.dc.type???: Tese
Title: Comparação do efeito agudo do treinamento de força versus potência muscular sobre as respostas metabólicas, cardiovasculares e psicofisiológicas em idosas hipertensas
???metadata.dc.creator???: Orsano, Vânia Silva Macedo 
???metadata.dc.contributor.advisor1???: Prestes, Jonato
???metadata.dc.description.resumo???: Objetivos: O objetivo do presente estudo foi comparar os efeitos agudos do treinamento de força tradicional versus o treinamento de potência muscular sobre as respostas metabólicas, cardiovasculares e psicofisiológicas em mulheres idosas hipertensas. Métodos: Foram selecionadas 15 mulheres idosas (idade, 67,1 ± 6,9 anos, altura, 151 ± 7 cm), classificadas com hipertensão estágio 1 ou 2. Todos os sujeitos foram alocados aleatoriamente para completar os treinos, com diferença de uma semana entre as sessões. As sessões de treinamento foram compostas por 10 exercícios realizados a 70% de 10 RM, envolvendo três séries de 10 repetições com 1 min de descanso entre séries e exercícios. Os exercícios de resistência para TP e TF tradicional foram: supino reto com barra, leg-press horizontal, puxador frontal, cadeira extensora, desenvolvimento máquina, mesa flexora, extensão dos cotovelos, flexão plantar em pé, flexão do cotovelo com barra livre e dorsiflexão (Physicus, Auriflama, São Paulo, Brasil). Antes das duas sessões, os participantes foram autorizados a aquecer por 10 min em uma esteira (Movimento-PRO 150, São Paulo, Brasil) a 65-75% da reserva de frequência cardíaca (FCR). Durante a TF tradicional, os indivíduos foram aconselhados a completar a fase concêntrica e excêntrica do movimento em um ritmo moderado (2-3 s cada), enquanto durante o TP completaram a fase concêntrica o mais rápido possível e a fase excêntrica com um 2-3 s cadência. Medidas cardiovasculares (frequência cardíaca e pressão arterial) foram controladas durante as sessões para evitar qualquer resposta anormal. A frequência cardíaca, a pressão sanguínea, a resposta afetiva, a percepção subjetiva do esforço e as amostras de sangue para analisar a capacidade de lactato, nitrato, nitrito e pró e antioxidantes foram coletadas antes e depois das sessões de treino. Os indivíduos receberam orientação nutricional em relação a nutrientes que poderiam afetar a análise cardiovascular e de nitrato / nitrito. Resultados: A pressão arterial sistólica não foi diferente (p> 0,05) na sessão TF em comparação com TP no início e durante 30 minutos após as sessões. A pressão sanguínea diastólica, o duplo produto e a frequência cardíaca não foram significativamente diferentes (p> 0,05) na sessão TF em comparação com TP no início e durante 45 minutos após as sessões. O óxido nítrico apresentou uma elevação superior (p <0,0005) para sessão de potência em comparação com a sessão de TF após 30 minutos de exercício. Thiobarbituric acid reactive substances (TABARS) e a capacidade antioxidante equivalente Trolox (TEAC) foram significativamente maiores (p <0,05) para a sessão de potência em comparação com a sessão TF apenas imediatamente após o exercício. Não houve diferenças para as variáveis psicofisiológicas entre os protocolos. Conclusão: A resposta aguda cardiovascular e metabólica, incluindo o estresse oxidativo, é transitória e dentro dos valores normais para estas variáveis. Tomados em conjunto com as respostas afetivas positivas, TP e TF com essa intensidade e volume parecem ser seguros para mulheres hipertensas idosas sob medicação.
Abstract: Objectives: The aim of the present study was to compare the acute effects of traditional resistance training versus power training on metabolic, cardiovascular and psychophysiological responses in elderly hypertensive women. Methods: Fifteen female elderly women (aged, 67.1 ± 6.9 years; height, 151 ± 7 cm), classified with hypertension stage 1 or 2. Subjects were randomly allocated to complete the trainings, one week later subjects allocated to RT completed the PT session and vice-versa. Training sessions were comprised of 10 exercises performed at 70% of 10 RM, involving three sets of 10 repetitions with 1 min of rest between sets and exercises. The resistance exercises for both traditional RT and PT were: barbell bench press, horizontal leg press, front lat pull-down, leg extension, military press, leg curl, cable elbow extension, standing calf raise, standing elbow flexion and dorsiflexion (Physicus, Auriflama, Sao Paulo, Brazil). Before both sessions subjects were allowed to warm-up for 10 min on a treadmill (Movement-PRO 150, Sao Paulo, Brazil) at 65-75% of heart rate reserve (HRR). During traditional RT subjects were advised to complete the concentric and eccentric phase of the movement at a moderate pace (2-3 s each), while during PT they completed the concentric phase as fast as possible and the eccentric phase with a 2-3 s cadence. Cardiovascular measures (HR and BP) were controlled during sessions to avoid any abnormal response. Heart rate, blood pressure, affective response, subjective effort perception and blood samples to analyze lactate, nitrate, nitrite, and pro- and antioxidant capacity were collected before and after training sessions. Subjects received nutritional orientation regarding nutrients that could affect cardiovascular and nitrate/nitrite analysis. Results: Systolic blood pressure was not statistically significantly different (p > 0.05) in the RT session compared with the PT at the beginning and during 30 min after sessions. Diastolic blood pressure, rate pressure product, and heart rate wereas not statistically significantly different (p > 0.05) in the RT session compared to PT at the beginning and during 45 min after sessions. Nitric oxide was statistically significantly higher (p < 0.0005) for power session as with compared to RT session after 30 min of exercise. TABARS and TROLOX were significantly higher (p < 0.05) for power session as compared with RT session only immediately after exercise. There were no differences for psychophysiological variables between protocols. Conclusion: The acute cardiovascular and metabolic response, including the oxidative stress are transient and within normal values for these variables. Taken together with the positive affective responses, both PT and RT with this intensity and volume seem to be safe for elderly hypertensive women under medication.
Keywords: Óxido nítrico
Envelhecimento
Pressão arterial
Estresse oxidativo
Treinamento de força
Treinamento de potência
Resistance training
Oxidative stress
Blood pressure
Power training
Nitric oxide
Aging
???metadata.dc.subject.cnpq???: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::EDUCACAO FISICA
Language: por
???metadata.dc.publisher.country???: Brasil
Publisher: Universidade Católica de Brasília
???metadata.dc.publisher.initials???: UCB
???metadata.dc.publisher.department???: Escola de Saúde e Medicina
???metadata.dc.publisher.program???: Programa Stricto Sensu em Educação Física
Citation: ORSANO, Vânia Silva Macedo. Comparação do efeito agudo do treinamento de força versus potência muscular sobre as respostas metabólicas, cardiovasculares e psicofisiológicas em idosas hipertensas. 2018. 86 f. Tese (Programa Stricto Sensu em Educação Física) - Universidade Católica de Brasília, Brasília, 2018.
???metadata.dc.rights???: Acesso Aberto
URI: https://bdtd.ucb.br:8443/jspui/handle/tede/2443
Issue Date: 3-May-2018
Appears in Collections:Programa de Pós-Graduação em Educação Física

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
VaniaSilvaMacedoOrsanoTese2018.pdfTese2.45 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.