???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://bdtd.ucb.br:8443/jspui/handle/tede/2435
???metadata.dc.type???: Tese
Title: Lazer e a pessoa com deficiência: interfaces e contradições no seu acesso e participação
???metadata.dc.creator???: Beltrame, André Luís Normanton 
???metadata.dc.contributor.advisor1???: Ferrari, Elisa Pinheiro
First advisor-co: Boato, Élvio Marcos
???metadata.dc.description.resumo???: Como, Quando e Onde ocorre o lazer para as pessoas com deficiência? Esta é a pergunta central deste projeto, que ganha forma na medida em que se reconhecem duas questões centrais que geram seu interesse: a primeira, largamente publicizada e reconhecida, que marca em relatórios nacionais e internacionais processos de exclusão desta parcela do gênero humano; e a segunda, relativa ao processo de organização material e simbólica do espaço urbano envolvendo as práticas de lúdicas de divertimento. Ao procurar saber como ocupam espaços urbanos e dialogam com seus nexos e contradições esta tese pretende pensar como se configura o desafio do acesso e participação social frente a este fenômeno, considerando no cenário da microparticipação (de uma Associação Cultural, um Projeto Educativo e um Espaço Esportivo) o lócus empírico do estudo junto a pessoas com deficiência física (cadeirantes). Para a tarefa se procura entrecruzar em perspectiva superadora os estudos do lazer e assumir os Estudos da Deficiência, ou Disability Studies, nome mais conhecido, como ancoramento teórico. Este último, grupo de teóricos e ativistas, pouco estudado em território nacional, está envolto nos debates mais atuais sobre o Modelo Social de deficiência, que reconhece a deficiência como uma construção social e não biológica e individual, como muito ainda se vê. Com uma proposta metodológica de abordagem qualitativa em base exploratória e descritiva o estudo opera metodologicamente por meio de uma pesquisa documental, revisão bibliográfica, registro de campo e entrevistas a 22 atores sociais (12 pessoas com deficiência física, 5 acompanhantes, 4 professores e 1 gestor da associação cultural). Os resultados apontam para um lazer experimentado de maneira individualizada, dependente de outras pessoas e negociado em termos de formato para seu acesso. Do ponto de vista de espaços e lugares a inacessibilidade arquitetônica, os transportes, a diferença e o preconceito, além do espaço privado, em detrimento do público, tem sido barreiras relatadas. E, por fim, embora o lazer tenha à princípio uma idealização de diferentes possibilidades em seu acesso duas questões marcam sua impossibilidade de vivência plena: o preconceito e a manifestação da cultura lúdica alienada ao consumo presentes na busca e fruição do fenômeno. O estudo conclui que a pessoa com deficiência ainda é vítima de um tratamento desigual, o que inspira afirmar que, em algumas situações, espaços de lazer não abrigam uma dimensão coletiva. Depreende-se da afirmação, dentre outras coisas, que a participação social não está ligada apenas a constatação empírica do indivíduo, mas a estrutura social e historicidade que o envolve. A dificuldade de entender a deficiência, e falta de outras oportunidades tem apresentado sinais de pouca evolução neste sentido, principalmente quando nos remetemos ao que historicamente o Modelo Médico de interpretação da deficiência produziu, discriminando institucionalmente a forma de reconhecer estes indivíduos.
Abstract: How, When and Where does leisure for people with disabilities occur? This is the central question of this project, which takes shape in recognition of two central issues that generate its interest: the first, widely publicized and recognized, which marks in national and international reports processes of exclusion of this part of the human race; and the second, regarding the process of material and symbolic organization of the urban space involving the practices of fun games. When attempting to know how they occupy urban spaces and dialogue with their nexuses and contradictions, this thesis intends to think about how the challenge of access and social participation to this phenomenon is framed, considering in the microparticipation scenario (of a Cultural Association, an Educational Project and a Sport Space) the empirical locus of the study among people with physical disabilities (wheelchair users). For the task is sought to cross over into leisure perspective and take on Disability Studies, or better known as theoretical anchoring. The latter, a group of theorists and activists, little studied in national territory, is involved in the most current debates on the Social Model of disability, which recognizes disability as a social and non-biological construction, as is still seen a lot. In this perspective, disability is only one way of being in the world in the face of so many other possibilities and society must be sensitive to it. With a methodological proposal of qualitative approach on an exploratory and descriptive basis, the study operates methodologically through a documental research, bibliographical review, field record and interviews with 22 social actors (12 people with physical disabilities, 5 companions, 4 teachers and 1 manager of the cultural association). The results point to a pleasure experienced in an individualized way, dependent on other people and negotiated in terms of the format for their access. From the point of view of spaces and places, architectural inaccessibility, transportation, difference and prejudice, in addition to the private space, to the detriment of the public, have been reported barriers. And finally, although leisure has at first an idealization of different possibilities in its access two issues mark its impossibility of full experience: the prejudice and the manifestation of the ludic culture alienated to the consumption present in the search and enjoyment of the phenomenon. The study concludes that the disabled person is still the victim of an unequal treatment, which suggests that in some situations, leisure spaces do not have a collective dimension. It is clear from the statement, among other things, that social participation is linked not only to the empirical observation of the individual, but to the social structure and historicity that surrounds it. The difficulty to understand the deficiency, and lack of other opportunities has revealed signs of poor evolution in this sense, especially when we refer to what historically the Medical Model of disability interpretation produced, discriminating institutionally how to recognize these individuals.
Keywords: Lazer
Deficiência
Disability studies
Participação social
Social participation
Deficiency
Leisure
???metadata.dc.subject.cnpq???: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::EDUCACAO FISICA
Language: por
???metadata.dc.publisher.country???: Brasil
Publisher: Universidade Católica de Brasília
???metadata.dc.publisher.initials???: UCB
???metadata.dc.publisher.department???: Escola de Saúde e Medicina
???metadata.dc.publisher.program???: Programa Stricto Sensu em Educação Física
Citation: BELTRAME, André Luís Normanton. Lazer e a pessoa com deficiência: interfaces e contradições no seu acesso e participação. 2018. 267 f. Tese (Programa Stricto Sensu em Educação Física) - Universidade Católica de Brasília, Brasília, 2018.
???metadata.dc.rights???: Acesso Aberto
URI: https://bdtd.ucb.br:8443/jspui/handle/tede/2435
Issue Date: 22-Jun-2018
Appears in Collections:Programa de Pós-Graduação em Educação Física

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
AndreLuisNormantonBeltrameTese2018.pdfTese60.23 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.