Export ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://bdtd.ucb.br:8443/jspui/handle/123456789/323
Type: Dissertação
Title: O ressurgimento da China à luz da hegemonia norte-americana
Author(s): Knewitz, Denise Cousin Souza 
First Advisor: Bijos, Leila Maria da Juda
Summary: A ascensão da China à condição de superpotência mundial é um acontecimento de grande relevância para as relações internacionais contemporâneas. Levando-se em consideração que a China foi a maior economia mundial durante a maior parte dos últimos três mil anos, deixando de estar entre as nações mais avançadas apenas durante um período de cem a cento e cinquenta anos, seria mais adequado referir-se ao ressurgimento da China como potência. Dessa maneira, é possível afirmar que o ressurgimento chinês pode afetar significativamente a dinâmica das relações internacionais. Para realizar uma abordagem sistêmica dos fatores que propiciaram a ascensão chinesa e verificar se estes, por sua vez, são capazes de permitir que o país se torne realmente uma superpotência, primeiramente é essencial a análise da atual potência hegemônica os Estados Unidos da América , verificando quais os aspectos que poderiam possibilitar essa transição de poder no sistema internacional. A hegemonia norte-americana foi conquistada no decorrer da Segunda Guerra Mundial em virtude do enfraquecimento das superpotências europeias. O crescimento da economia chinesa e o papel que desempenha nas relações internacionais mudaram drasticamente desde que Deng Xiaoping desenvolveu um processo de reformas políticas na década de 1970. A partir de então, sua economia sofreu uma das mais significativas evoluções da história recente. Em razão de sua magnitude em termos de área geográfica e população, a China tem potencial para se tornar um ator econômico global de primeira ordem. Sendo assim, seria possível afirmar que a ordem internacional continuará sendo unipolar? Ou estaremos diante de um sistema multipolar ou unimultipolar? A China ou os EUA poderiam, no contexto atual, liderar mundialmente de forma isolada? Não restam dúvidas de que os EUA e a Chinaapresentam características individuais que poderiam identificar a manutenção ou o ressurgimento de uma superpotência hegemônica. No entanto, estamos diante de um sistema que provavelmente não vai mais admitir um único país na liderança, pois a formação de blocos econômicos regionais propiciou o surgimento de alianças que se tornaram imprescindíveis para as relações internacionais.
Abstract: China's rise to the status of world power is an event of great relevance to contemporary international relations. Taking into consideration that China was the world's largest economy during most of the last three thousand years, leaving to be among the most advanced nations only during a period of one hundred to one hundred and fifty years would be more appropriate to refer to China's resurgence as a power. Thus, we can say that the Chinese resurgence can significantly affect the dynamics of international relations. To perform a systemic approach of the factors that have led to China's rise and verify that these, in turn, are able to allow the country can truly become a superpower, it is first essential to analyze the current hegemon the United States by checking which aspects could enable this transition of power in the international system. The American hegemony was achieved during World War II due to the weakening of European superpowers. The growth of the Chinese economy and its role in international relations have changed dramatically since Deng Xiaoping developed a process of political reform in the 1970. There after its economy has suffered one of the most significant developments in recent history. Because of its magnitude in terms of geographical area and population, China has the potential to become a global economic player of the first order. Thus, it could be argued that the international order will remain unipolar? China or the U.S. could, in the current context, lead globally in isolation? There is no doubt that the U.S. and China have individual characteristics that could identify the maintenance or re-emergence of a hegemonic superpower. However, we are faced with a system that will most likely not admit a single country in the lead, because the formation of regional economic blocs fostered the emergence of alliances that have become essential to international relations.
Keywords: direito
estados unidos
imperialismo
china
direito internacional
econômico
soberania
relações econômicas internacionais
U.S.A
sovereignty
international hegemony
CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::DIREITO
Language: por
Parents: BR
Publisher: Universidade Católica de Brasília
Institution Abbreviation: UCB
Department: Direito
Program: Programa de Pós-Graduação em Direito
Citation: KNEWITZ, Denise Cousin Souza. O ressurgimento da China à luz da hegemonia norte-americana. 2013. 174 f. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Católica de Brasília, Brasília, 2013.
Access Type: Acesso Aberto
URI:  https://bdtd.ucb.br:8443/jspui/handle/123456789/323
Document date: 21-Nov-2013
Appears in Collections:Programa de Pós-Graduação em Direito

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Denise Cousin Souza Knewitz.pdf1.25 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.