Export ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://bdtd.ucb.br:8443/jspui/handle/123456789/230
Type: Dissertação
Title: Movimento operário e globalização : por que a contribuição sindical compulsória persiste no Brasil?
Author(s): Mendes, Alessandra Torres Vaz 
First Advisor: Bijos, Leila Maria da Juda
First co-advisor: Falcão, Maurin Almeida
Summary: O presente trabalho analisa o modelo sindical corporativo implantado no Brasil pelo Presidente Getúlio Vargas, enfatizando a contribuição sindical obrigatória, apontando fatores sociais, políticos e econômicos que determinaram sua persistência. Através de comparações com o movimento operário europeu, são estabelecidos parâmetros que evidenciam os motivos que levaram Getúlio Vargas à criação desse modelo sindical, sendo o principal deles, subjugar o nascente operariado industrial a fim de garantir o desenvolvimento econômico. Os longos períodos de repressão política, entremeados por espasmos democráticos, estabeleceram uma relação de acomodação das lideranças sindicais em relação à estrutura corporativa. Essa estrutura favoreceu a expansão do capital monopolista, pois colaborou para que houvesse no Brasil uma mão-de-obra numerosa, barata e passiva. Nos anos 1980, o longo processo de redemocratização não foi capaz de romper com o sindicalismo orgânico. Diante dos efeitos da globalização, o sindicalismo brasileiro sofre de uma crise, não somente ideológica, mas real, que se expressa no decréscimo do número de filiados. A minimização dessa crise exige a urgente modificação do sindicalismo de viés corporativo
Abstract: This study analyzes the corporate syndicalist model implemented in Brazil by President Getúlio Vargas, emphasizing the obligatory syndicalist contribution, and highlighting the social, political and economic factors that have determined its perseverance. Through comparison with the European labor movement, parameters that demonstrate the reasons that led Getúlio Vargas to create this syndicalist model are established, the main one being to subjugate the newly formed industrial labor force in order to guarantee economic development. The long years of political repression, interspersed with spasms of democracy, established the apathetic relationship between the syndicalist leadership and corporate structure. This structure favored the expansion of monopolist capital, as it contributed to the formation of a vast cheap and passive work force in Brazil. In the 1980s, the long process of redemocratization was incapable of breaking organic syndicalism. In the face of the effects of globalization, Brazilian syndicalism now suffers a crisis, not only ideologically, but also in reality, expressing itself in the decrease of its affiliates. The minimization of this crisis demands the urgent modification of corporate syndicalism
Keywords: movimento operário
globalização
contribuição sindical obrigatória
labor movement
globalization
obligatory syndicalist contribution
CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::DIREITO::DIREITO PRIVADO::DIREITO DO TRABALHO
Language: por
Parents: BR
Publisher: Universidade Católica de Brasília
Institution Abbreviation: UCB
Department: Direito
Program: Programa de Pós-Graduação em Direito
Citation: MENDES, Alessandra Torres Vaz. Movimento operário e globalização : por que a contribuição sindical compulsória persiste no Brasil?. 2009. 58 f. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Católica de Brasília, Brasília, 2009.
Access Type: Acesso Aberto
URI:  https://bdtd.ucb.br:8443/jspui/handle/123456789/230
Document date: 19-Nov-2009
Appears in Collections:Programa de Pós-Graduação em Direito

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Alessandra_Mendes.pdf782.37 kBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.